segunda-feira, 25 de março de 2013

21 - "Aposto que fizemos um bebé esta noite."

- Podemos simplesmente esquecer isso e divertirmo-nos? - perguntei quando chegámos a casa...depois de virmos o caminho todo a falar naquele assunto. 
Enquanto aqui estiver, quero conseguir conjugar o melhor dos meus dois mundo, das minhas duas famílias. Quero ser apenas a Ana Moreira, com o seu namorado a aproveitar dois belos dias de descanso de tudo o que anda a acontecer. 
- Como é que tu queres esquecer uma coisa desta gravidade? Aquela cabra é um monte de merda cagada! - a Miranda...quando se exalta, tem um vocabulário que eu, pessoalmente, invejo, 
- Miro...
- Desculpa! Mas eu tinha de explodir...quer dizer, ela começou tudo e vai processar-te? 
- Deixa a estar. Quando chegar a Madrid logo se vê o que é que vai acontecer. Relaxa doida! - o Sergio, que até então permanecia calado, fez-se ouvir. 
- Sim. O melhor é mesmo esquecermos a Pilar. O que vier aí, vem...e nós estamos juntos.
- E contam comigo! - disse logo a Miranda. 
- Vêem...nada de stress. Agora...que querem jantar?
- Hum...eu podia fazer o jantar - disse o Sergio. 
- Tu? - indaguei. 
- Cozinho assim tão mal...que tens medo de me dizer?
- Não...cozinhas bem, muito bem até. 
- Então porque não ser eu a fazer o jantar?
- Por mim...
- Então as meninas que fiquem aí sentadinhas, ou então que ponham a mesa.
O Sergio retirou o casaco para, de seguida, começar a preparar o jantar...com algo que tinha encontrado cá por casa. Eu e a Miranda colocámos a mesa, mas, como o jantar ainda não estava pronto, fomos sentarmo-nos no sofá, aproveitando para falar de coisas mais...de mulher. 
- Diz-me uma coisa - ela colocou as suas pernas por cima das minhas e chegou-se mais para junto de mim e falou sussurrando - ele é assim tão...tu sabes, como dizem?
- Miranda!? - tentei parecer-me ofendida, coisa que não o estava, falando também baixinho com ela.
- Que foi? Tu és como minha irmã mais velha por dois meses, mas eu quero saber mais pormenores.
- Mais pormenores como assim? Achas mesmo que te vou contar tudo o que se passa naquela maravilhosa casa em Madrid? 
- Tudo, tudo não...mas umas amostras...
- Posso...posso dizer que é muito mais do que dizem. 
- Não!?
- Sim...
- Mas...é mesmo bom?
- Mesmo! Sabes que eu já tive alguns rapazes. 
- Sei sim...
- Mas...ele? - olhámos as duas para ele que estava na bancada a preparar o jantar, de costas para nós...ai! E a vontade que me deu! - Ninguém se compara aquilo...e é só o que digo.
- Ai se ele não fosse teu...
- Desculpa? 
- Eu tenho olhos...
- Eu sei que os tens. Não te preocupes...
- E mais? Já têm algo definido? 
- Como assim? 
- Futuro, ou coisa assim.
- Andámos a falar de filhos...mas só pela parte dos treinos. 
- Filhos?
- Sim...eu descaí-me ontem quando chegamos a casa.
- Queres ter filhos com ele?
- E ele comigo. 
- Vocês são lindos.
- Somos normais...e há uma coisa que ainda não te contei.
- Estás à espera de que?
- Ontem estive com o meu tio...irmão do meu pai.
- Quem?
- Sim...ele encontrou-me por acaso no centro comercial e veio ter comigo. E depois o Sergio marcou um encontro com ele e...estamos bem. 
- Serio?
- Sim...eles andaram à minha procura, na altura em que os meus pais morreram, mas não me encontraram e depois o filho deles também morreu.
- Coitados. 
- Agora têm outro filho, o meu primo Sergio. 
- Tens uns quantos Sergios na tua vida...
- Pois tenho.
Ficamos as duas a falar ainda durante algum tempo sobre o Sergio e o meu tio. E...viciada por fotografia como é a Miranda...tivemos de tirar umas quantas e aproveitei para por uma no twitter: 

"Te echaba de menos. Eres mi hemana de corazón. Te AMO Miro"
- Meninas o jantar está pronto - disse o Sergio, virando-se para nós, com um tabuleiro na mão...cheirava a lasanha. Sentamo-nos à mesa e servimo-nos daquele belo prato. 
Tivemos um maravilhoso jantar, com muita risada. Era bom ver a Miranda e o Sergio a darem-se tão bem, como se dão. Era como se já se conhecessem, pela maneira como se tratam um ao outro, e, sem dúvida, que tê-los assim é a melhor sensação do mundo.

Depois de jantar: 
- Meninos, eu tenho de ir trabalhar.
- Vai, Miro, nós tratamos de tudo por aqui. 
- Apareçam por lá!
- Depois vemos isso, sim? 
- Como queiram. 
A Miranda saiu de casa e os meus planos eram outros. Poderíamos passar pelo café/bar onde a Miranda trabalha, mas não por agora...eu precisava de ter um momento muito, mas mesmo muito sério com o Sergio. 
Tinha ficado a olhar para a porta por onde a Miranda tinha saído, quando sinto os braços do Sergio em torno da minha cintura. 


- Como é que te sentes? - perguntou-me.
- Feliz.
- Ainda bem. Mas e dores? Tens? 
- Não. Nenhumas...e... - virei-me para ele - podíamos aproveitar que a Miranda não está em casa...
- Ela demora? - o Sergio desviou o meu cabelo do pescoço e percorreu as minhas costas com as suas mãos. 
- O bar fecha à uma da manhã e ela ainda tem de ficar a arrumar tudo. 
- Parece que sim...ainda demora. 
O momento muito sério que queria ter com o Sergio...também ele tinha a necessidade de ter esse tal momento que era sério...mas de sério nada tinha.
O Sergio começou por me começar a levar para sitio incerto...mas ao chegarmos ao meu belo cantinho percebi onde estávamos. 
Ele beijava-me o pescoço e os lábios...à medida que me ia despindo o casaco. Ele estava calmo...nada de pressas, nem desejos loucos. Era um ambiente novo...um momento novo, com maiores níveis de carinho e amor do que propriamente de desejo e loucura. 
Deitou-me na cama para, de seguida, se colocar sobre mim. Beijou-me cada milímetro de pele descoberta junto do pescoço e "torturava-me". As minhas mãos viajaram imenso por dentro da sua camisola...imenso mesmo. 
No momento mais desesperado o Sergio retirou-me a camisola...fazendo-me aperceber que tinha umas dores...fazendo com que saísse um pequeno gemido de dor. 
- Lo siento... - disse ele, ficando a olhar para o meu corpo...as nódoas negras deveriam ser mais que muitas...não era o meu corpo normal...nem eu me sentia normal. Eu sentia-me estranha, mas bem. Queria-o...mas com calma. Queria ser seduzida...como ele o consegue fazer, mas sem pressas. 
O Sergio começou uma sequência de beijos pela minha barriga que marcaram a diferença. Ele fazia círculos com os beijos...percebi que ele beijava cada volta das nódoas negras...foi subindo pelo meu tronco, até que juntou os nossos lábios, que há muito há não se encontravam. 
Aproveitei e passei eu para o comando. Os beijos tornaram-se carregados de desejo mas...há que fazer sofrer um bocadinho. 
Depois de lhe retirar a camisola do corpo...percorri aquela dádiva dos deuses de uma ponta à outra...ora beijos, ora lambidelas e alguns chupões. O Sergio percorria o meu tronco com as suas mãos, até que me desapertou o soutien. 
Invertemos as posições...e o Sergio "louco" voltou a ele. Havia pressa, desejo, loucura...mas em níveis muito menos alucinantes. Havia a pressa de sermos um do outro, mas havia ainda a necessidade de preliminares mais robustos. 
Satisfizemo-nos um ao outro, mesmo antes de nos entregarmos ao desejo. Ambos atingirmos um limite para além do máximo de prazer e...há muito que a expressão "até vi estrelas" não se aplicava na perfeição a este momento. 


Ficamos, ambos, extremamente cansados, mas com a noção de que algo grande, no futuro, está à nossa espera. 

Na manhã seguinte: 
Sentia-me ainda mais dorida do que depois de andar à porrada com a Pilar. Não. Eu sentia-me dorida...mas não com dores. Estava como que...anestesiada para isso. Foi a noite mais...puxada, que tivemos...e a mais silenciosa. Demos pela Miranda chegar...mas a nossa vontade era tanta que não parámos. 
Virei-me de barriga para cima, constatando que o Sergio ainda dormia. Aproximei-me dele, percorrendo a sua linha do maxilar com beijos, parando só quando os meus lábios tocaram os dele, muito ao de leve. 
Ele mexeu-se...para colocar a sua mão na minha barriga. 
- Aposto que fizemos um bebé esta noite - disse ele, abrindo os olhos...muito a custo. 
- E eu aposto que ainda estás a sonhar...
- Como é que sabes que sonhei com bebés?
- Sonhas-te?
- Por acaso não.
- Estamos engraçadinhos logo de manhã - ele nada disse...apenas me beijou para, de seguida, ficar a brincar com a minha mão. 


- Planos para hoje? - perguntou ele, puxando-me mais para perto dele. 
- Para a parte da manhã...nenhuns. Podemos ficar simplesmente por aqui. Depois de almoço vamos até à melhor gelataria do mundo e à minha praia. 
- Vamos à praia?
- Não para apanhar sol nem ir ao mar. Mas vamos dar uma volta.
- Parece-me bem. 
- Agora vamos a levantar...a Miranda daqui a nada já anda por aí.
Levantamo-nos, fomos tomar um duche (não tão rápido por causa do senhor Sergio), mas quando nos despachamos fomos para a cozinha, onde já estava a Miranda. 
- Estou a ver que arrumaram tudo - ups...a cozinha estava toda de pantanas.
- A culpa é minha - disse o Sergio. 
- É nossa... - acrescentei. 
- Estou a ver...mas...ao menos aproveitaram? - Miranda e a sua grande boca...mas, surpreendentemente, quem lhe respondeu foi o Sergio: 
- Bastante bem. 
A Miranda ficou a olhar para mim e eu simplesmente lhe lancei um sorriso. 
Tomamos o pequeno-almoço os três e depois arrumamos a cozinha, os três também. 
Aproveitei a manhã toda para mostrar a zona ao Sergio, incluindo o sitio onde era a casa onde cresci. 
Deixei uma foto no twitter, como sempre tinha sido hábito, mesmo antes de conhecer o Sergio. Era um vicio...

"Há paraísos tão bem escondidos neste Mundo..."
Regressamos a casa, preparamos o almoço e, depois de almoçarmos, levei o Sergio até à gelataria que eu mais gostava. Desde pequenina que me lembro de cá vir e cada vez que venho passar um fim de semana à Ericeira venho cá. 
Entrei com o Sergio e, o facto de ser uma época fria, o movimento era nulo. 
A D. Jacinta, a proprietária da gelataria, veio cumprimentar-me e fiz-lhe o meu pedido...estava-me a dar um daqueles momentos em que me apetecia comer todos os gelados que ali estavam. Contive-me, mas mesmo assim, o que pedi para mim e para o Sergio, vinha em dois pratos e...só me parecia...que o mundo era mais que perfeito. 
Antes de atacar aquela maravilha...partilhei. 

"Bem...se daqui a uns dias vos parecer mais gorda...a culpa é disto."
Comecei a deliciar-me com aquele manjar...e o Sergio olhava-me a rir-se. 
- Pareces uma miúda pequena.
- Diz que é miúda pequena, diz...se achas que ela te dava uma noite como a que passou... - o Sergio desmanchou-se à gargalhada...e contagiou-me. 
Depois de terminarmos a nossa sobremesa, levei-o até à minha praia, que era a apenas 5 minutos dali. 
Era uma praia completamente deserta, pequena e sossegada. Não estava ali ninguém, ninguém mesmo. O mar estava super agitado, mas mesmo como eu o gosto de ver. 
- Era para aqui que vinha sempre com os meus pais - confessei ao Sergio, quando nos sentamos no areal. 
- É linda - eu encostei-me ao Sergio e ficamos durante alguns segundos a contemplar aquela força da natureza a manifestar-se aos nossos olhos - anda dar um mergulho. 
- O que?!
- Sim! Anda dar um mergulho.
- Sergio...quando o mar estiver mais calmo e menos frio vamos. 
- Anda lá! - o Sergio levantou-se, retirou a camisola e começou a caminhar - se não vieres...não vais ter a compensação do aquecimento. 
- O que?
Ele virou-me as costas e continuou a caminhar para o mar. Que se lixe! Retirei também a minha camisola e fui a correr ter com ele, saltando para as suas costas. 


Antes de entramos na água, o Sergio colocou-me no chão...era demasiado perigoso entrar às cavalitas dele. 
A água estava completamente gelada! O choque térmico era horroroso! Completamente horroroso! Tivemos algumas dificuldade até sairmos da água e quando chegámos ao areal...os meus dentes batiam uns nos outros.
- Tá...frio - eu não costumava ser assim...costumava ser sempre a única que nunca tinha frio...mas hoje! Está demais. 
O Sergio simplesmente pegou nas nossas roupas, agarrou-me pela mão e levou-me para um sitio completamente escondido...com imensas ervas em volta, mas com espaço para nos sentarmos. Eu sentei-me...e toda eu termia...estava completamente gelada. O Sergio...não sabia bem que ideia era a dele, mas quando...se colocou em cima de mim e me fez deitar no areal...a minha cabeça parece ter-se acendido.
- Tem de ser um aquecimento super rápido - disse ele também completamente a tremer. 
Retiramos qualquer peça de roupa molhada existente nos nossos corpos...e aquecemos!

7 comentários:

  1. Olá :D
    Tenho a dizer que esta história me deixa muito viciada e estou sempre ansiosa por um novo capítulo!
    O amor destes dois é contagiante e adoro vê-los juntos. Espero que a Pilar não traga confusões graves :p
    Beijinhos
    Ritááá xD

    ResponderEliminar
  2. AMO, como sempre né? (:
    Admito, este amor, está alegria, tudo o que os envolve e contagiante ((:
    Agora, quero ver é quando chegarem a Madrid o que está por detrás do nome: Pilar Rubio!!
    Mas estou super viciada nisto, por isso preciso do próximo rapidamente, assim como toda a gente aposto!

    besos, Débora*

    ResponderEliminar
  3. Adorei!!
    Especialmente a parte da "conversa séria" e do "aquecimento". Ahahah!
    A Miró é um máximo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Oh meu deus xD estes dois até na praia querem ... fazer filhos, digamos assim ahaha
    Adorei, a sério! Quero mais.
    Beijinhos <3

    ResponderEliminar
  5. Olá!
    Adorei!!! Hoje nao estou muito inspirada para comentar mas que adorei la isso adorei!
    Eu tambem quero ir de Madrid à Ericeira, de Ericeira as estrelas (se e que me entendes xD)
    Estes dois estao perfeitos! E a pilar? Bem se nao houvesse vacas no mundo, nao havia leite para fazer os gelados! (esta frase foi taooo estupida xD)
    Quero o proximo! (prometo que no 22 vou comentar algo...normal xD)

    Beso
    Ana Santos

    ResponderEliminar
  6. Olá :)
    Gostei :p
    E o Sérgio é super prestável xD
    Sabes, não me admirava nada que o casal principalmente a menina Ana fizessem capa de revista.
    Mas esperamos que essa Pilar vá arder bem longe...

    Beijinhos
    Daniela^^

    ResponderEliminar